Apnéia do Sono

O que é apnéia do sono?

Apnéia significa “sem ar” ou “parada da respiração”. Apnéia do sono significa um problema respiratório, que acontece enquanto dormimos, caracterizada por interrupções breves e repetidas da respiração (com duração de pelo menos de 10 segundos numa freqüência maior que 05 episódios por hora de sono).
Existe mais de um tipo de apnéia do sono?

Sim. Existem dois tipos de apnéia do sono: central e obstrutiva. Apnéia central, que é bem menos comum, acontece quando o cérebro deixa de enviar ordem aos músculos do tórax responsáveis pela respiração. Ou seja, a via aérea superior está aberta mas o tórax não se move. Está freqüentemente relacionada com problemas neurológicos e insuficiência cardíaca congestiva. Apnéia obstrutiva é aquela, que apesar dos movimentos torácicos presentes, a via aérea superior (a faringe) está obstruída, colapsada. Esta é mais freqüente e mais grave que a apnéia central, e está na grande maioria dos casos, associada com ronco alto e contínuo durante o sono. (veja “ronco”)

O que causa a apnéia obstrutiva do sono?

A causa da apnéia obstrutiva do sono é na maioria das vezes multifatorial, sendo conseqüência de um colapso ou de um grande estreitamento da via aérea superior que ocorre durante o sono. O estreitamento e colapso da faringe pode ser devido ao relaxamento da musculatura ao redor da faringe (o que acontece com o uso de álcool, sedativos e durante o sono profundo); excesso de tecido (hipertrofia de adenóide a amígdalas, pálato alongado, língua volumosa, e mais raramente presença de cistos e tumores na faringe), obesidade (acúmulo de gordura ao redor da faringe) e alterações do esqueleto facial (pessoas com queixo e maxila pequenos e posteriorizados). O decúbito dorsal, ou seja, dormir de barriga para cima, pode facilitar este estreitamento da faringe em algumas pessoas.

Quais os principais sinais desta doença?

  • Ronco alto e freqüente
  • Engasgos e sufocação durante o sono
  • Sonolência exagerada durante o dia
  • Cansaço ao acordar
  • Dor de cabeça ao acordar
  • Dificuldade de memória
  • Dificuldade de concentração
  • Irritabilidade e depressão
  • Obesidade
  • Queixo pequeno
  • Pressão alta
  • Impotência sexual

Se você se enquadra na maioria destes itens, pode ser portador de apnéia obstrutiva do sono. Procure um especialista!

Quais as conseqüências desta doença?

Além na queda de qualidade de vida pela sonolência diurna excessiva e má qualidade de sono, há um risco aumentado para problemas cardíacos como pressão alta (hipertensão arterial), batimento cardíaco irregular (arritmia cardíaca) e infarto do miocárdio. Ainda, devido ao quadro de sonolência, o risco de acidente automobilístico é de 4 a 7 vezes nos indivíduos com apnéia obstrutiva do sono.

É possível tratá-la?

O tratamento ideal depende do grau do apnéia do sono que é verificada pelo “exame do sono” (polissonografia) e de uma avaliação individual com um médico especialista. Linhas gerais sobre o tratamento da apnéia do sono:

  • Nenhum tratamento medicamentoso é eficaz para a apnéia obstrutiva do sono;
  • Pessoas acima do peso ideal são aconselhadas a perder peso;
  • Dormir de lado nos casos em que as apnéias ocorrem mais em decúbito dorsal, pode ajudar;
  • Evitar uso de álcool e medicamentos sedativos é aconselhável;
  • Uso do CPAP ou BIPAP nasal, um aparelho usado durante o sono por onde o ar passa através de uma máscara nasal para a faringe, tem sido muito utilizado. O ar sob pressão que vem através de uma máscara colocada sobre o nariz mantém a faringe aberta , prevenindo as apnéias;
  • Aparelhos odontológicos, para usar durante o sono, podem ser indicados em alguns casos, sempre com avaliação médica prévia;
  • Tratamento cirúrgico específico (adenoamigdalectomia, amigdalectomia, uvulopalatofaringoplstia, cirurgia para correção da obstrução nasal, cirurgia estética facial para correção óssea da maxila e mandíbula) pode ser realizado em alguns casos.

Fonte: Sociedade Brasileira de Sono